Livros Técnicos

Banner

Estruturas integradas criadas pelo IPT protegem pilares de pontes dos impactos gerados por colisões

ipt materia
Sistema flutuante de proteção de pilares instalado na ponte da rodovia SP-191, sobre o rio Tietê

Estruturas integradas criadas pelo IPT protegem pilares de pontes dos impactos gerados por colisões

O Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) desenvolveu em 1998 um sistema flutuante como alternativa para evitar colisões de embarcações com pilares de pontes em locais de alta profundidade, que absorve a energia do choque e ajuda a proteger as estruturas contra o impacto de acidentes.

Instalado em pontes dos rios Tietê, São José dos Dourados e Paraná, o sistema é incentivado como opção de equipamento de segurança pelo pesquisador Carlos Daher Padovezi, do Laboratório de Engenharia Naval e Oceânica do IPT. Ele explica que o Brasil ainda tem um grande número de pontes sem proteção de pilares em rios navegáveis. 

A queda de parte da estrutura da terceira ponte da Alça Viária após o choque de uma balsa com um dos pilares no último sábado (6), que faz a ligação entre a capital Belém e cidades do interior do estado do Pará, é citada como exemplo pelo pesquisador da importância do sistema para a navegação fluvial.

“Em geral, os pilares das pontes não são projetados para resistir a impactos de embarcações - isso é economicamente inviável. Isso quer dizer que qualquer embarcação, mesmo que pequena, se estiver em uma velocidade considerável e colidir com um pilar, pode causar sérios danos à estrutura de uma ponte. A queda do tabuleiro, como a que ocorreu em Belém, é um dos exemplos que podem acarretar em perda de vidas e de veículos, assim como problemas como a interrupção de tráfego sob e sobre as pontes”, explica Padovezi.

Enquanto que em profundidades baixas a proteção costuma ser feita com os chamados dolfins – estruturas de concreto fincadas ou apoiadas no fundo do rio - o sistema desenvolvido pelo IPT para altas profundidades (mais de dez metros) é baseado na instalação de módulos fabricados em aço e ancorados por poitas de concreto - obstáculos flutuantes na trajetória de colisão das embarcações com os pilares das pontes. Esse conjunto de estruturas absorve a energia do choque de embarcações, protegendo os pilares e, consequentemente, as pontes que sustentam.

“Em águas mais profundas, é impraticável a utilização de dolfins; eles têm um alto custo e teriam dimensões que reduziriam o vão para a passagem de embarcações. A solução de sistema flutuante se apresenta como mais vantajosa técnica e economicamente”, finaliza o pesquisador.

Fonte: IPT

Site Login